Journal #23: Typography

[introduction talking about nice fonts, blablabla — ya know –> LaTeX] –yeah, I’m actually skipping this part

The purpose of this post is to give a few suggestions of fonts to people who don’t know many fonts. The results of it, although concise, originates from several years of trial-and-error by your humble author, until he could finally find the “perfect” fonts for him.

Here are a couple of random points:

  • Don’t use comic sans (1) (2). This also applies to Arial and other fonts originally known to be shipped with the Microsoft Windows operating system.
  • Make Wikipedia display LaTeX fonts!
Wikipedia, LaTeXified
Wikipedia, LaTeXified
  • Suggestion of nice monospace fonts (aka fonts for editing (and reading!) source code):
    • Ubuntu Mono
    • Inconsolata
    • Adobe Source Code Pro — this is the second one I most like
    • CamingoCode — this is my preferred one right now
    • Terminus (this is a bitmap font — the best bitmap one)
  • Suggestion of fonts for the sole purposing of reading pleasantly (e.g. books, long texts, long websites):
    • Baskerville — my preferred one for the Kindle Paperwhite 2.
    • Bitter — a bit aggressive, but smooth
    • The one this guy uses for his website, based on the work of Edward Tufte (ETBembo).
    • The one demize uses for his website: Fontin and Fontin Sans (ttf-exljbris)
    • LaTeX fonts, of course!
    • Linux Libertine font family
  • Suggestion of a couple of fonts for random purposes (including serif and sans serif ones):
    • Fira Sans / Fira Mono — the ones from the Firefox OS Family
    • Open Sans (from Google)
    • Ubuntu font family
  • Suggestion of fonts for “neutral” purposes (aka you don’t really want to use different fonts at all)
    • Windows font family (cof cof…): Calibri, Cambria, Tahoma, Segoe UI, Times New Roman, Verdana, Arial. Comic Sans.
    • Linux (classic) font family: ttf-bistream-vera, ttf-dejavu, ttf-liberation, nimbus-sans, cantarell-fonts (gnome 3)
    • Mac font family: Helvetica, Lucida Grande.
    • Chrome OS fonts: those ones are neutral but are nice looking! Roboto, Arimo (sans-serif), Tinos (serif), Cousine (monospace).

Try these

if you’re on Linux, use a good fonts.conf (man fonts.conf (5)) config: see mine, for example. Here is a copy of it, just in case:

<?xml version='1.0'?>
<!DOCTYPE fontconfig SYSTEM 'fonts.dtd'>
<fontconfig>
 <match target="font">
  
  <edit mode="assign" name="rgba">
   <const>rgb</const>
  </edit> 

  <edit mode="assign" name="hinting">
   <bool>true</bool>
  </edit>
 
  <edit mode="assign" name="hintstyle">
   <const>hintslight</const>
  </edit>
 
  <edit mode="assign" name="antialias">
   <bool>true</bool>
  </edit>
 
  <edit mode="assign" name="lcdfilter">
    <const>lcddefault</const>
  </edit>
 
 </match>
</fontconfig>

And, if you’re on Windows: https://thiagoperrotta.wordpress.com/2014/07/12/mini-melhorando-a-renderizacao-de-fontes-no-windows/

If you use Arch Linux, check out the infinality repo.

And yes, typography is really nice!

Advertisements
Journal #23: Typography

Journal #22: 2015.1 — small review of a really serendipitous semester

Previous one: 2014 – Small review of a really nice year 🙂

This post is divided into two sections:

  • the first one is a re-review of the previous post: ya know, like which things turned out to be a complete mess, and which ones turned out to be really nice.
  • the second one includes news from the latest semester (aka 2015.1)

By the way, I am thinking into turning this into a new series. This kind of post is very [stable] and is a really nice way to share several thoughts and impressions at once. So, let’s go:

2014 re-review

This will follow the same order of the previous post. Now:

  • Some static site generators are a total waste of time.
  • Próximooooooooooo [1]
  • CTFs turned out to be something I really like. In particular, Information Security and Computer Networks are among my top interests in computing.
    • Yeah, I participated of the CERT.br challenge yet again, and got the second place (again! xD). By the way, this was one of the things I was most expecting about 2015.1, My salutations to the CERT.br team.
    • Reverse engineering is cool but very uncertain sometimes.
    • “Worse is better”
    • gdb is more powerful than I could imagine (though this doesn’t mean it is necessarily easy to be mastered…)
    • Python is amazing to program some network tasks in CTFs. Yeah, better than ruby.
  • Hackathons are: sometimes very overrated; but sometimes very nice. The choice depends on the context. ==> Stay away from the overrated ones, please.
    • Citation needed (?)
  • Firefox OS is pretty much dead. It is better to develop a mobile-friendly website rather than [trying to] waste time learning how F.OS works. Also, read the opinion of Jeremy Garcia about Mozilla (or, like Brian likes to say, “Motzilla”. Yeah, The Bad Voltage guys *do* really rock!
  • I still love the Arch community but I’m trying to find new [stable] ones. Rust looks like a nice candidate at the moment. Haskell turned out not to be very [stable] in terms of community, however it is a nice language indeed. Hacker News turned out to be [stable]. Reddit continues to be very [stable].
  • Ah yes, you might be wondering about this [stable][2] thing.
  • Tumblr turned out to be [stable] too. In fact, I’m beginning a new niche blog in there. More on that later.
  • AUR is still the best software repository out there. And now it reached 4.0.
  • Markdown “languages”: I don’t care about either asciidoc or mediawiki anymore. Markdown itself is still the best one out there.
  • Programming languages: I lost my interest on lua and perl; I over-created an interest on Rust; and I’m beginning to discover the inner workings of python. Ok, python 2, I confess. nobody cares about python 3…
    • Oh yes, in particular, ipython is awesome!
    • virtualenv + pip too.
  • I completely ditched out emacs from my life. Along with RSIC-x C-c. I don’t even use orgmode anymore. Oh, that was said…I really love orgmode! But it is only available though emacs, so goodbye. I’m mainly using google keep + google (spread)sheets now. Yeah, Google knows everything (okay, 99%) about me.
  • R is the BEST thing to plot graphics. [stable]
  • No MOOCs (coursera, edx, etc). However, who cares? ACHIEVEMENT UNLOCKED: I read ~42 books within a single semester. And this is well documented on Castalio Podcast as a friendly interview to Og and Elyézer.
  • I’m now achieved the [master] level regarding creating LaTeX presentations / slides with LyX. Here are some of them. It rocks.
  • TV Series: season #2 of Silicon Valley was really nice. I’m still waiting for another season of Black Mirror; and Game of Thrones turned out to be very amazing, even though I watched most of its episodes from the first three seasons in 1.5–2.2x playback speed. My brain is now hard-wired to find the 2-min opening theme way too slow in 1.0x. No more series.
  • Already talked about books…and, yeah, goodreads + calibre + kindle are the best triple one could have.
  • Operating systems still consume much of my time and interest. I really like to get in touch with the latest technologies. Achievement unlocked: installed OpenBSD in my ultrabook. Ok, just for a while. And managed to get wi-fi connection working on it. Oh, poor package management security freak thing. No more windows. Pun intended.
  • No games this semester. So sad…also, kongregate is slowly dying. Along with Flash.
  • Spotify still rocks. Nice bands/music I discovered [3] this year (or I think it was this year): Foster the People, Imagine Dragons, Jack Johnson, Jonathan Coulton, Lana del Rey. Also, it looks like Taylor Swift has 10% of my last.fm scrobbles, OMG. Maybe this influences me unconsciouslly.
  • I improved my game creation / computer graphics skills by developing an Ogre3d game (still WIP).
  • Vim is not a [stable] IDE. But it is a [stable] text editor for me now, thus replacing emacs. It lacks autocomplete…no plug-ins are good for this.
  • Android 4.4.x manual update on my humble Motorola Razr I: it was a nice learning experience and the system got much better overall.
  • Privacy? Pretty much the same.
    • Now I adopt the concept of disposable posts.
    • uBlock is slightly better than adblock for my purposes. And AdAway still rocks.
    • Created then immediately abandoned my Instagram account.
    • RSS feeds? Inoreader.
  • I still love podcasts. I listed the top ones I most enjoy [today] in here.
  • Languages? I feel I want to learn Russian but I didn’t to that this semester. Still waiting for Duolingo to launch it. It should be complete by the end of the year.
  • No, I’m not migrating this blog to anywhere else anymore.
  • My tumblr is an occasional source of serendipity links.
  • No, I’m not in vacation at the time of this post.

Hello — er, I mean, goodbye — 2015.1

Now let’s index a few nice things about 2015.1.

  • You’re right, I don’t even know where to start from.
  • Let’s begin with the “achievement unlocked” moments, then (not in any particular order):
  • Achievement unlocked #1: achieved 500 posts on the Arch Linux Forums. This is the fourth on-line forums where I achieve 500 forums. (1 = a MMORPG game — damn, I had ~12 years. No more of these games now!; 2 = fórum do só matemática; 3 = fórum da OBMEP (3 vezes ou 2); 4 = arch). The actual number of posts is not important, but this is ==> [stable]
  • Achievement unlocked #2: listened to probably more than 1000 hours of podcasts (not only in 2015.1, but summing it all up from the beginning). Maybe more than 2000? I’m not sure. Ok, in fast playback mode. I just know that just Everyday Linux alone accounts for ~180+ episodes times ~1.2 hour each ==> more than 200 hours. By the way, thanks to EDL [4] (everyday linux) my English listening super boosted in the last years. It was the first podcast in English I began to listen in fast playback speed (~1.7x, maybe) — actually, i t was the first podcast I ever listened to.
  • Achievement unlocked #3: about to achieve 15k scrobbles on last.fm.
  • Achievement unlocked #4: more than 1200 movies/series/whatever marked as watched on my filmow. Okay, patience deteriorates over the years…I’d say one fourth of these were watched in fast playback speed.
  • Yes, this ‘fast playback speed’ thing became [stable] in the last months.
  • Okay, no more numbers. I’ll stop digging up my web accounts.
  • About some technical stuff:
    • httpie rocks
    • rust rocks
    • debian [stable] is a bad desktop environment for power users…however, it is okay for ‘i-dont-care’ users.
    • cherrypy and sqlalchemy rock for python development
    • docker rocks (see also: this <== yeah, Jess also rocks)
    • http://curlpipesh.tumblr.com/ <== shame on you people who | sh
    • mate is the best desktop environment in the Linux Desktop world, but I still prefer no DE at all, so I’m still a heavy user of i3wm.
    • creating random PKGBUILDs to help random people on the arch forums rocks 🙂
    • Walter Lewin rocks
    • Ultrabooks become very fragile over time. I’m not buying them anymore.
    • Clickbaits are more present than I realized. I feel like I’m inside one of Philip Pullman books whenever I see clickbaity articles. It is like a different perception of the world. Social network and collaborative sites are full of them. The good news are: you get better into discovering (and disposing/ignoring) them soon as more come into your way. Flag all of them as spam/inappropriate, please.
    • blackarch rocks
    • LVM rocks
    • Ajaaaaaaaaaaaaaaaaaaax and jquery are very powerful.
    • netbeans/java/eclipse are lame…
    • I can’t continue this list indefinitely, so I’m stopping here now. But I’m pretty sure I forgot to include several things in here.
  • I feel I said so much but I have even more to say…maybe I should start a podcast to express more in less time. No, not really, so much work…

Okay, if you got here, thanks for you attention, and I hope I didn’t make you feel bored. Also, I really hope that some of the things I shared over here were new to you so you can (too) feel the same feeling of serendipity and satisfaction I acquired when I discovered / worked with / achieved a few of those things. Bye.

Footnotes

  • [1]: If you didn’t understand this, nevermind.
  • [2]: this is a word I overuse (yeah, even more than serendipity — and yeah, it *must* be between brackets) as a neologism. Its meaning is ~”something I used / participated for a reasonable period of time and decided that I liked / that is part of my life — not only casually, but usually more or less near my context”. Does this definition sounds clear? And yeah, there is [unstable] too. The origin of this expression in my vocabulary originates from arch repositories.
  • [3] not really discovered, but that turned out to be [stable]
  • [4] not just to EDL (2012–present)…but it takes probably most of the credits. Josh Waitzkin in Chessmaster 10th also takes some of them (~2009-10). Namco’s Ace Combat game too (2008–12(?)). And so on…
Journal #22: 2015.1 — small review of a really serendipitous semester

[mini] Journal #21: Javascript, Jquery e afins (“Review”)

Eu sou novo nesse negócio de webdev. Considerando uma época não tão distante, comecei com javascript, depois vi um pouco de coffeescript, e então finalmente nodejs. Isso no ano passado. Agora voltei a ver um pouco essas coisas. Algumas conclusões/comentários gerais até então:

  • A parte de prototypes de javascript é muito bonita (em termos de design de linguagem de programação / expressividade), mas fora isso javascript é como um todo relativamente ruim de se trabalhar. São muitos detalhezinhos, as coisas eventualmente podem bugar por simples besteiras.
  • O DOM (Document Object Model) é algo muito bem feito. Parabéns pra quem inventou isso.
  • Coffeescript é (relativamente) inútil. Melhor continuar com javascript mesmo.
  • Jquery é algo maravilhoso! Toda a dificuldade de se trabalhar com javascript e de manipular é resolvida com essa biblioteca. É simplesmente fantástico. Estou falando isso e olha que só o estou usando faz 3 dias. Super recomendado aprendê-lo!
  • O brackets é a melhor ambiente que mexi para trabalhar com webdev. Bônus: é open-source e é disponível para Linux.
  • O JsFiddle é o melhor site para compartilhar snippets de webdev, principalmente javascript.
  • A documentação da MDN (mozilla developer network) é excelente!
  • O “web console” do firefox é muito bom para debug. Ainda não tenho uma opinião forte para dizer se ele é melhor, pior ou tão bom quanto o do Chrom{e,ium}. Mas…tá ótimo! E mais: nem precisa do firebug.
  • curl continua sendo a melhor ferramenta para debugar HTTP em geral.
  • Decore o atalho Ctrl-U. Super útil.
  • Wappalyzer é ótimo para descobrir o que alguns sites utilizam. O que = javascript, server e css em geral. Quais frameworks, ferramentas, toolkits, etc.
[mini] Journal #21: Javascript, Jquery e afins (“Review”)

Journal #20: Ah, communities :)

TL;DR Coldplay – Talk @ YouTube

Eu sempre quis escrever um post sobre isso, principalmente depois de ter lido o livro do Jono Bacon [1] faz provavelmente mais de um ano. Essa é mais uma historinha sobre uma dia aleatório em uma comunidade aleatória.

Warning: quando eu escrevo em português aqui, eu geralmente adoto um estilo de escrita onde eu tento ser o mais preciso possível [3]. No entanto, é virtualmente impossível ser 100% preciso aqui sem criar um ensaio de 10 páginas: existe um compromisso entre precisão e tamanho do texto. Portanto, para deixar o texto menor do que eu gostaria, pode ser que eu não me expresse tão bem como eu queria. Se você não entender algum parágrafo ou achar que ele foi escrito de forma corrida…sim, ele foi mesmo, então sinta-se à vontade para pedir clarificações.

Contexto

Esse post está cheio de internas, mas espero que isso não o torne tão chato. Mas, vamos lá.

Eu sou mais um mero mortal que ama o conceito de comunidades. Amo tanto isso que coloquei como um dos meus interesses no meu LinkedIn: “Community Management”. O que é isso? Uma descrição muito clichê seria: “atitude de líder, postura social consciente, blábláblá”. De verdade, basta você imaginar um grupo de pessoas razoavelmente grande com algum interesse em comum — isso é uma comunidade. Tem comunidade de tudo que é gosto. Religião é um tipo de comunidade. Política é outro [4]. Emacs x vim users, linux distro users, empresa júnior, competidores de algum esporte, seus amigos da faculdade, seus colegas de turma de física. Ah, não há limites para formar grupinhos de interesse em comum. [5]

Se você aceitou e entendeu o conceito de comunidade, vamos para o passo 2. “Community Manager” é uma pessoa que é mais ou menos responsável por regular uma dada comunidade. O que é ‘regular’? Acho que podemos definir isso como “manter a comunidade em harmonia”. Já ‘harmonia’ é um pouco mais difícil de definir, mas eu diria que ‘respeito’, ‘saber ouvir{,ler}’ e ‘boa aura’ fazem parte dela.

So what? Um community manager deve possuir uma cabeça boa{,aberta,flexível} o suficiente para poder entender os sentimentos e/ou pensamentos dos membros da sua comunidade. Eventualmente ocorrerão conflitos de interesses, isso faz parte da natureza humana, mas o que importa de verdade é o outcome (resultado) desses conflitos — e, em particular, como o C.M. vai intervir em relação a eles.

Okay, mas esse post não é sobre community managers; é sobre communities.

Ah, communities

Tem uma multitude de assuntos para escrever aqui, mas vamos nos focar em alguns poucos para não deixar a coisa muito longa.

Comunidades são muito legais. Eu estou sempre procurando uma nova e tentando fazer parte de uma. Não, não estou falando de comunidades no sentido de ‘grupos de orkut’ (ou de Facebook), mas sim no sentido de ‘grupos de interesses’. Eu gostaria de destacar, em especial, e antes de discutir sobre algumas coisas, uma comunidade de que faço parte e de que me orgulho bastante por isso: a comunidade do Arch [Linux]. (Leia [6] se você não sabe o que é isso)

Eu devo fazer parte [7] dela mais de um ano, creio; mas eu gosto muito dela em especial porque ela também é uma metacomunidade; isto é, uma comunidade que se importa com o conceito de comunidade. Não é objetivo aqui ficar falando do Arch, mas eu diria que [8] e [9] resumem a coisa. Leia [9] por favor. Veja os “helpful links” de lá também, caso você nunca os tenha visto. Todo usuário de alguma rede social / da internet deveria ler essas páginas pelo menos uma vez na vida.

Em outras palavras: ela possui um código de conduta, e espera-se que a maioria dos membros o sigam. O código não é nada demais, é uma mistura de bom senso com esforço — esforço no sentido de não esperar tudo de bandeja e/ou que outras pessoas resolvam os seus problemas por você, i.e. CORRA ATRÁS –, só que isso tudo é documentado. A boa da coisa é que potenciais novos membros, caso “violem” esse código de conduta (violar é bem informal aqui), são usualmente avisados de maneira educada quais são as expectativas deles. Assim, um exemplo básico: criar flame wars ou bikeshedding ou incitar qualquer tipo de preconceito é extremamente desencorajado — pra não dizer proibido [10]. Tópicos no fórum ou em qualquer outro canal oficial que tratem sobre isso são usualmente retaliados — socialmente falando –, de modo que os seus autores passam a saber imediatamente qual regra violaram, e por quê.

Claro, dado um exemplo como o que eu acabei de dar, bastante “óbvio” que é contra a conduta social da comunidade, é tratado de forma diferente do que um tópico menos óbvio. Iniciar flame wars gratuitamente tem um custo de contravenção muito maior do que (por exemplo) criar tópicos duplicados sem antes ter pesquisado antes.

Mas enfim, e daí? E daí que eu já tive a oportunidade de ver atitudes ótimas nesse contexto e acho que isso é uma super experiência de vida [11]. LEIA [11] e [12]! Já vi várias “violações de condutas”, algumas com boas intenções (“sem querer”) e outras com más intenções (“trolls”). Já vi diversas formas de lidar com essas violações. Algumas super eficientes e outras super babacas.

Pronto, cheguei onde eu queria.

Nota.: note que eu falei que algumas partes iam ficar incompletas, senão o post ficaria gigante. Então, por favor não ache estranho se eu quebrei a continuidade do parágrafo anterior.

Conflitos de interesses

A motivação para escrever esse post foi um episódio que aconteceu em uma das comunidades de que participo; no caso, a comunidade da minha faculdade. Em um grupo em uma rede social famosa [13] sobre ela, grupo esse voltado principalmente para discutir sobre assuntos de professores e matérias e fatos afins (às vezes nem tão afins assim) sobre o cotidiano da faculdade, apareceu um post de propaganda.

De verdade, vários posts, sobre a mesma propaganda, (pro)vindos da mesma pessoa. No entanto, para dar um pouco de contexto, essa pessoa é ligeiramente popular entre os grupos de alunos do centro acadêmico, então não é um estranho (ou uma propaganda, for that matter) qualquer. Isso faz alguma — mas não tanta assim — diferença em como podemos interpretar o resultado da coisa.

O que aconteceu foi que, desde uns dias atrás, essa pessoa começou a divulgar, massivamente e todos os dias, propaganda sobre o serviço que ela oferece. Se fosse uma pessoa aleatória com essa insistência toda, eu provavelmente tomaria uma dessas atitudes, ou talvez todas elas simultaneamente: (i) pedir para parar de enviar spam, (ii) bloquear, (iii) report as spam to the group admin, (iv) sarcasmo como retaliação, (v) unfollow all notifications/updates/posts, dependendo do contexto. De fato, eu já fiz isso em um grupo de intercâmbio, onde tinha um cara que não parava de ficar promovendo o site dele — não vou citar o nome para não promovê-lo. É extremamente chato isso — e adblock vai sempre ganhar a guerra.

Eu acho aceitável fazer propaganda uma vez ou outra caso a pessoa seja aleatória, mas toda hora não dá. Realmente não dá…por sinal, em nossas listas de e-mail, isso também ocorre com certa frequência. Tem gente que fica divulgando o mesmo curso de software de modelagem 3D lá mais de um milhão de vezes. É chato e só serve para alimentar o marketing negativo da coisa. Eu jamais — exceto em casos de necessidade — apoiaria e/ou me matricularia em um curso desses, só por causa do marketing [14]. Pega muito mal. Falando em pega muito mal, tem uma operadora de celular que acha que ‘pega bem’, mas ela também só pega mal com as propagandas dela. Mas okay, vamos voltar ao assunto principal:

Eu achei esse tópico extremamente interessante, porque ele levantou várias questões sobre “a arte de comunidade”. Vejamos:

Eu disse que o cara é conhecido. E digo mais: em um primeiro momento, a propaganda dele fez um bom efeito sobre mim, eu consumiria serviço dele, pelo mero fato de ter achado a propaganda boa — assim como o serviço também. Só que…como eu disse, é extremamente chato ficar repetindo a mesma coisa toda hora, e criar um tópico novo todos os dias para ficar se promovendo — mas, note, se promover, em si, é uma atitude OK — até certo ponto. Existe um certo ponto em que o efeito se inverte: você passa a achar o serviço uma porcaria, simplesmente por causa do marketing ruim.

Eu vou dizer como a história iria acabar: [15] eu provavelmente bloquearia o cara e ponto. Talvez comentando antes o quanto a coisa me incomodava. Mas tá. Só que a história foi diferente — e é por isso que eu estou escrevendo esse post.


Aconteceu o seguinte: esse cara criou um tópico pedindo para as pessoas criticarem os posts dele caso ele estivesse sendo chato ou algo do tipo. Eu tenho que dizer: essa é uma atitude linda. Eu não sei se ele fez isso porque alguém reclamou antes (provavelmente foi isso) ou porque ele simplesmente resolveu fazer isso do nada, mas de qualquer forma isso é uma atitude ótima e eu parabenizo o cara. Deixou de ser bloqueado por mim por causa disso 🙂

Mesmo que alguém tenha reclamado, ele poderia ter xingado a pessoa, ou ignorado ela. Enfim, poderia ter feito qualquer atitude babaca. Mas eu achei o ato de criar um post pedindo críticas uma atitude madura. Bem, também é um marketing, obviamente, e o pouco conhecimento que eu tenho de economia me permite dizer que isso é uma bela estratégia (mesmo que seja apenas um side effect de um outro ato) — teoria dos jogos curtiu isso.

Bem, é isso. Mentira, não é só isso. Mas acho que até aqui já bastava para o post. Por quê? Ora bolas, é um exemplo de como as coisas podem ser diferentes, como as coisas podem terminar bem, em vez de simplesmente resolver tudo na ignorância. Mas tem mais.

A intenção do post do cara era levantar críticas, mas ele só recebeu elogios. Recebeu uma porção de likes. Como eu disse, o marketing é a alma do negócio. Mas isso em si é OK e não tem nada demais. O problema foi quando…

…a primeira crítica apareceu. Mas a crítica foi extremamente razoável e bem intencionada. O cara falou que se incomodava com o spam todos os dias aparecendo na timeline dele — e sim, eu também me incomodo com isso.

Só que o problema foi que a maior parte das pessoas da comunidade levou isso — de alguma forma, NÃO SEI COMO, que aura invisível é essa que puxa e incita as pessoas a criar conflitos desnecessários, oh céus — para o lado pessoal, e começou a achar que essa primeira crítica foi desnecessária e exagerada, e começou a surgir uma onda de achar que o autor dessa crítica era um babaca.

Assim, por quê? Obviamente isso está errado, qualquer observador decente externo a esse sistema diria que essas pessoas estão equivocadas, e estão mesmo.

Experiência própria, principalmente mas não apenas por causa do Arch:

Como resolver conflitos de interesses:

  • Não coloque o coleguinha na defensiva.
  • Não chame o coleguinha de babaca.
  • Não critique se você não gosta de ser criticado.
  • Faça críticas construtivas, explicando o seu ponto, mas sem atacar outra pessoa.
  • Seja educado.
  • Tenha respeito.

Essas community guidelines são bem básicas e deveriam estar documentadas em todo lugar, principalmente buried into the brains de todas as pessoas que são fácil e/ou sensivelmente ofendidas.

O final do tópico ficou assim: o cara que criticou ficou se defendendo, é um direito dele, ele fez a crítica dele, e de forma decente. E mais algumas pessoas continuaram a retaliar e dizer que ele é um babaca por causa da atitude dele e etc — lembre-se, o cara que fez a propaganda é carismático nos círculos dessa comunidade. Bem, FELIZMENTE, algumas outras pessoas concordaram com o cara que criticou, quer dizer, não necessairamnete concordaram com ele, mas acharam um exagero a atitude das pessoas que o criticaram.

Liberdade de expressão é delicado em alguns contextos. A palavra ‘democracia’, então, é um taboo por si só e é extremamente mal utilizada por aí.

Wrapping up

Está bem, eu só queria registrar isso e comentar um pouco sobre o assunto. Como eu acho que as coisas deveriam se resolver? E o que eu aprendi com a comunidade do Arch para comentar sobre o assunto?

  1. Se você quer criticar, faça uma crítica boa. Foi o que o cara da primeira crítica fez. Eu observo que muitas críticas não são boas por aí, então é importante guardar esse ponto.
  2. Se você quer criticar a crítica, por favor leia e releia o ponto 1. até você entendê-lo.
  3. …Profit! Sério, é só isso. Respeito mútuo e diálogo bastam para manter a harmonia. As pessoas não precisariam depender de community managers in the first place se elas por si só já se autocontrolassem e não tentassem descontar o estresse e/ou a tensão e/ou a bad vibe delas nas outras.

Por favor, pense duas vezes antes de apertar a tecla <ENTER>. E é só isso. Eu prezo pelo bem estar e pela boa interação das pessoas na internet, e acho que as pessoas hoje em dia, por estarem atrás de um teclado, são mais hostis do que precisavam ser. Talvez seja a solidão. E é por isso que eu amo (i) o reddit, (ii) o Arch, e (iii) o Bad Voltage. São 3 exemplos de super comunidades, de pessoas que (usualmente) seguem todas as coisas boas que eu escrevi aqui e evitam fazer todas as coisas ruins que escrevi aqui. Será que é tão difícil assim? Tolerância, meus amigos.

Obrigado por ler. 2703 palavras.

Footnotes

  • [1]: http://www.artofcommunityonline.org/, super recomendado se você usa alguma rede social. O contexto do livro é sobre comunidades open source (linux e afins), mas ele é super bem escrito, e o Jono Bacon é um cara muito legal que também tem um podcast muito legal com outras pessoas também bastante legais [2]
  • [2]: http://www.badvoltage.org/, com discussões decentes e cheias de maturidade. OK, volte ao primeiro parágrafo agora. Mas queria eu que todas as discussões que eu vejo por aí fossem que nem as desses caras.
  • [3]: e isso geralmente dá bastante certo, e é provavelmente o motivo número um que me motiva a escrever nesse espaço
  • [4]: já a política brasileira é uma calamidade mesmo, bjs
  • [5]: também temos a comunidade das pessoas que vão dominar a lua, assim como outros astros, dessa e também de outras galáxias. Eu faço parte dela, mas prometo não fazer isso.
  • [6]: https://www.archlinux.org/, é uma distribuição de linux voltada para usuários avançados, ou seja, é uma comunidade técnica, e bastante peculiar. Uma comunidade sensacional, yay
  • [7] “Fazer parte” é utilizado de forma informal. Pra fazer parte de uma comunidade, seja ela qual for, basta você se sentir representado por ela e/ou se sentir parte dela. Basta. “Status” não é realmente necessário.
  • [8]: https://wiki.archlinux.org/index.php/The_Arch_Way
  • [9]: http://xyne.archlinux.ca/notes/arch/ethos.html
  • [10]: uma comunidade decente não precisa de regras: só precisa de “encorajamento”/”motivação” de boas práticas e “frowning upon” em relação a más práticas. Probidir/banir/agir de forma autoritária é um caso extremo e raramente necessário, exceto em relação a eventuais trolls. [12]
  • [11]: isso não é um exagero. Parece que é cada vez mais raro as pessoas pararem para analisar uma situação sem levar as coisas para o lado pessoal, e de forma empática e/ou agnóstica e/ou neutra, sem favorecer ou desfavorecer nenhum ponto de vista em particular. Isso é muito ruim, será que é tão difícil parar para analisar uma situação de forma objetiva um pouco? Somos (ou deveríamos ser) seres racionais.
  • [12]: muitas vezes, o mero fato de “frowning upon” já é visto como “ser chato”. Quando as pessoas são reprimidas por algum motivo por alguém que está tentando instaurar ordem (muitas vezes, mas não sempre, o community manager), muitas vezes esse alguém é retaliado: caxias, certinho, chato, estraga-prazeres. Já vi tudo quanto é nome, alguns inclusives bem feios. Que o “chato” continue sendo chato, pois então, e forte: porque, psicologicamente, esse tipo de resposta da pessoa que foi reprimida é extremamente previsível e fraca (AKA usualmente irracional) e serve como mecanismo de defesa natural, apesar de (também) ser extremamente banal. É difícil aceitar estar errado.
  • [13]: até parece que você não sabe a qual rede eu me reFiro
  • [14]: você raramente verá um usuário do Arch tentando convencer ativamente outra pessoa a usar o Arch.
  • [15]: vários parágrafos seguidos começando com “eu”…damn, linguagem subjetiva
Journal #20: Ah, communities :)

Journal #17: Mail from Emacs – Part #1

Whisper: Yeah, this is probably the most crazy thing I’ve ever done (with emacs, sure).

Overview

I have a couple of e-mail accounts out there; this is inevitable nowadays. I usually manage them all from a single Gmail account, with a little help of POP3 or automatic e-mail forwarding (that depends on the relevance of the other mail accounts).

The point is, while I don’t have to manually check every account – just the main one –, I still depend on the web interface of Gmail. In a scenario like this, two-step verification with Google Authenticator is a must.

No problem, but what about mail clients? Currently I’m very happy with Claws Mail; it is simple and gets the job done. Thunderbird is not a software that I personally enjoy, but I find it great to set up (for example) for my family, since it is GUI friendly.

Now, while Claws Mail is reasonably elegant, it is not something that I use in a daily basis. Not even in a weekly one. I only open it up sometimes, usually when I need (correction: want) to send a PGP signed message.

Another thing is this year I became a reasonably active user of mailing lists: there are a couple of them that I read weekly. Reading them from gmail is a slow process (web or android, this doesn’t matter here).

Now, let’s get Gnus

The previous section was intended to point out to you my motivation do to this. There is one more: curiosity. The hacker spirit of Linux/Emacs/(whatever) users is really special: sometimes we try out things just for the sake of trying them out. No strings attached, not a single reason to do them.

This is divided in (at least, I hope) two parts. This one is only a ‘Hello World’ kind of setup. I don’t know yet how to operate Gnus properly (beyond its basics), so if you only want the technical details, go away – nah, just wait for the next post.

EmacsWiki had all the information I needed to setup Gnus from Gmail. Seriously, I don’t need to duplicate everything here, just follow it. Briefly, you just have to create a $HOME/.gnus file for the configuration of Gnus (the mail client (embedded) inside emacs we are using here) and a $HOME/.authinfo for your Gmail password. I really hope you are using two-step auth here, otherwise you’ll be storing your default Gmail passwrod as plain-text in your filesystem. Please don’t do that.

As an additional layer of security in the case your *nix box is shared with another user, it won’t hurt if you do

chmod 700 $HOME/.gnus
chmod 700 $HOME/.authinfo

to keep those files only available to you.

Next, to make sure your e-mail is working, do a M-x gnus. You should see there your labels from gmail. Yay!

Now, do a C-x m to send a new e-mail. By doing this, you’ll be creating a new buffer with the following contents:

To:
Subject:
From: (myawesomefullnamehere) <(myawesomeemailhere)@gmail.com>
--text follows this line--

--

- Thiago

Pretty neat, huh? It even took my signature from $HOME/.signature, that I use for Claws Mail. However, about the ‘From’ line, I suspect it parsed the contents of the two user-full-name and user-mail-address variables that I have set on my $HOME/.emacs file.

I just sent a sample e-mail and saw it worked. Cool, dude!

Now, there are so many things to do / discover here. Here is a mini org list to remind myself later:

* Sending mails
- [ ] attachments
- [ ] PGP signing
- [ ] PGP encryption
- [ ] multiple e-mails
- [ ] CCo
- [ ] Integration with other emacs features: spell-checking, auto-fill,
  etc.
- [ ] Plain text only?? What if I want to send a org or markdown mail?
  This would be super cool.
* Managing mails
- [ ] Delete one mail
- [ ] Delete several e-mails
- [ ] Searching for old e-mails (this is probably better with the gmail
  interface...)
- [ ] Change a label
- [ ] Mark mails as {un,}read
- [ ] Sync mails periodically
- [ ] Sync mails manually

For starters, this is okay. Until later.

Journal #17: Mail from Emacs – Part #1

Journal #16: Spotify

Raramente recomendo algum serviço / algo comercial, mas faço questão de recomendar o Spotify [1]. Estou usando-o há mais de uma semana, e é uma boa forma (1) de indexar as músicas que você gosta (2), certamente melhor do que [2.]. Resumidamente:

  • (1): Um bom modelo de negócios (para o usuário final): você ouve músicas gratuitamente, tendo apenas que ouvir uns 30 segundos de propaganda ocasionalmente (tipo a cada 3 ou 4 músicas, não é tanto assim). Esse é o tipo de negócio que dá gosto de suportar (veja a parte de “NOT ADBLOCK”).
  • (2): scrobbles podem ser encaminhados(?) para o last.fm (ainda estou procurando uma forma de fazer isso para o libre.fm); o cliente (player) para Desktop e para Web possuem uma forma fácil e integrada de dizer quais músicas você gostou e quais você detestou, aumentando cada vez mais o poder de previsão / recomendação desse serviço.

Vejamos algumas controvérsias:

  • Com DRM (isso pode ser superado de maneira relativamente fácil, porém demorada, mas isso não é algo que queremos fazer com um serviço bom, certo?). Mas o que mais esperar de um serviço de músicas? Já acho incrível o catálogo que ele tem — em termos de quantidade e de qualidade. Não dá para reclamar disso. É uma forma parecida com a do Steam.
  • Ainda não está 100% disponível no Brasil (deve ficar em breve). Se o seu IP diz que você é do Brasil, dê o seu jeito. As boas e velhas keywords são proxy e/ou VPN.

OBS.: Possui cliente nativo para Linux! No Arch, veja no AUR (a quantidade de votos reflete a sua popularidade).

Para completar, mais tarde quero testar o Pandora também, para comparar os dois. Vale dizer que ouvi falar pela primeira vez do Spotify faz muito tempo, no Everyday Linux Podcast (valeu Mark, Seth e Chris!), em algum episódio entre o 50º e o 100º (não vou me lembrar de qual…), mas só pude testá-lo agora.

OBS. (off-topic): aparentemente o WordPress não é muito fã desse novo estilo de referenciar links que venho testando. Er…

[1]: https://www.spotify.com/

Journal #16: Spotify